A pintura de Mazé passou por uma travessia, desde o tempo em que praticava o registro de protesto, em que alcançou aparências de esplêndida elaboração.

As meditações de Pierrot, os temas de Carnaval, de teatro & camarim, as pesquisas que fez dos limites da abstração a que se pode levar a figura humana, formam o novo período.

Maravilha, ela renovar impetuosamente as percepções luminosas e transitar de fase para fase de um modo para outro modo de sentir, evoluindo de um amor de tintura quase estritamente social, para a síntese que hoje há disso com a despreocupação com a história, amor tátil e direto onde apenas ao fundo mal se adivinha uma história.

Constante em Mazé é a audácia da procura, que se refere livremente à tradição e às suas escolas inumeráveis: procura que atreve nas cores, na composição e ousa muito pelo movimento.

No pano das telas e na pele dos metais, em tudo que assuma o risco e o pigmento, ela vem armando imagens de mais de mil palavras.

Jaques Brand
(poeta/jornalista) Catálogo/Exposição 1982

Post relacionados

Os Palimpsestos Cromáticos...

Quando temos diante de nós o conjunto de obras de Mazé Mendes, nos parece que ela quer...

Rosemeire Odahara Graça

Como não existe definição de identidade atual que não resulte daquilo que já se foi,...

Traço & Cor Travessia...

Imaginação e vontade são os elementos que possibilitam ao artista criar, formar um...

Os dois eMes de Mazé Mendes

“A Liberdade não é uma condessa Do nobre distrito de St. Germain… Ela é...

Depoimento a alunos da...

Nos anos setenta, a principal imagem era a figura humana, centrada nos problemas...

Leave a Comments